TIPOS DE ABRAÇO
A partir da atualização de abril/99, esta seção passou a sofrer influência da literatura de Kathleen Keating. Muitos "tipos de abraço" já haviam, até então, sido analisados pelo autor. Quando você vir um texto ou definição em cor marrom-caramelo, saberá que se trata de um texto extraído da obra de Keating.
ABRAÇO PADRÃO:"Fiquem de pé olhando um para o outro, braços envolvendo os ombros, os lados da cabeça apertados um contra o outro, e os corpos inclinados para a frente sem se tocar absolutamente abaixo do nível dos ombros. Assim. Esse é um abraço padrão. O tempo gasto neste tipo de abraço normalmente é breve, uma vez que significa quase sempre "olá" ou "até logo".
O sentimento que está por trás disso é de apreço ou de cordialidade formal.
            O abraço padrão é mais apropriado para conhecidos novos ou colegas de profissão, ou em situações que requeiram certa formalidade. Por oferecer pouca ameaça, é confortável para pessoas tímidas ou sem prática.
            Este é um abraço clássico, e não deveria ser menosprezado devido a sua qualidade formal. Tem grande aplicação e é portanto benéfico para uma ampla gama de pessoas.
            Um abraço padrão é particularmente adequado para:
- Uma tia-avó que você não vê desde que era criança.
- O marido da chefe da sua mulher.
- Seu antigo orientador acadêmico.
- Uma nova nora."

ABRAÇO DE URSO: Aquele abraço apertado, cheio de energia, que nos envolve e às vezes chega a nos tirar o ar.  Naqueles dias em que a gente não consegue botar pra fora, e está lá se auto-reprimindo na concha, esse abraço faz com que o novo ar possa entrar na gente...

"No abraço de urso tradicional (assim chamado devido aos membros da família Ursidae, que tão bem o praticam), uma pessoa geralmente é maior e mais larga do que a outra, mas isso não é indispensável para manter a qualidade emocional do abraço de urso. Quem for mais alto poderá permanecer de pé ou levemente curvado sobre o parceiro mais baixo, envolvendo firmemente os ombros deste com os seus braços. O parceiro mais baixo fica de pé com a cabeça apoiada no ombro ou no peito do parceiro mais alto, braços enlaçados - também firmemente - em volta de qualquer área entre a cintura e o peito, que eles alcancem. Os corpos se tocam num apertão forte, vigoroso, que pode durar de cinco a dez segundos, ou mais."

ABRAÇO XÔXO: Sem graça, sem vontade, é aquele falso abraço, onde não de dá nem se recebe nada, apenas se cumpre um protocolo bobo.

ABRAÇO COM TAPINHAS: Dado principalmente por homens, sendo um jeito criativamente yang de se substituir a emissão de energia através do contato constante. O machismo repele o contato, mas o espírito de amizade cria esse método...

ABRAÇO ENVOLVENTE: Mais comum entre os casais, embora não seja ato exclusivo destes. É similar ao abraço de urso, onde os corpos se tocam sem restrições. A diferença é que enquanto o abraço de urso enfatiza um "apertão forte e enérgico", o abraço envolvente vai primar pela duraçào do contato físico. Costuma-se procurar e receber a cabeça do outro que repousa sobre peito ou ombro.

ABRAÇO NOTURNO:  "Esse é um abraço familiar, acontece entre casais, entre filhos e pais, entre irmãos e também pode ser cultivado entre amigos íntimos.É assim, a gente se enrosca um no outro e coloca a cabeça no peito do outro e fica bem grudadinho, ouvindo música ou vendo um filme no vídeo. Assim dá a sensação de que tudo pode ser gostoso e quentinho como aquele momento, ou então, se as coisas vão mal, traz a sensação de estarmos seguros em nossa união, amor e Calor Humano, até que tudo se transforme". (Cristina Giese)

ABRAÇO CANTADO: Aquele abraço em que a energia presa se solta. Emite-se um gemidinho.

ABRAÇO COM BALANCINHO: Gosta de vir junto com o abraço cantado. Se o abraço é o colinho versão "crescida", o balancinho seria o balancinho que acompanha o colinho tantas vezes... Não é relaxante?

ABRAÇO DE LADINHO: Muito usado para comemorações, para que os "abraçadores-abraçados" possam olhar para um mesmo lugar ou ter mais liberdade para pular, dançar ou cantar enquanto se abraçam.

  ABRAÇO DE OLHO ABERTO: Quando tememos algo à nossa volta, quando aquele abraço parece inconveniente. Mas qdo olhamos p cima com alegria,é que estamos fazendo uma imagem maravilhosa daquele momento. Quando olha-se perdidamente, é que o abraço está remetendo ao passado. Quando olhamos para baixo estamos evocando o sentimental com toda a força. Tende-se ao drama.

ABRAÇO SEM JEITO: Um abraço dado em situação embaraçosa. Ocorre sempre que um ou os dois "abraçadores" não tem intimidade com o outro. É também um abraço que surpreende, e dependendo da situação pode ter mensagens muito variadas.

UPA!: terno abraço dado pelos pais em suas crianças, ou pelas crianças em seus pais. É um agarro firme e gostoso, seguido de uma respiração profunda e a expressão "UPA", que pode ser rapidinha ou comprida, acompanhando o tempo do abraço: "UUUUPPPAAAAA!!!!"

ABRAÇANDO UM PERTENCE:
Você já teve um bichinho, um lençol, até mesmo uma bola, enfim, um objeto com o qual você dormisse? Então você já sabe do que se trata este aconchegante abraço. Tais objetos podem representar mil coisas no simbólico, mas algumas sensações tem uma repetição mais freqüente: a de "guardião do sono", em que o objeto é símbolo de segurança; a de profunda identificação e idolatrização (a alegoria do totem também é bem quista neste caso) com  o tema do objeto (o tipo exemplo do menino que se realiza jogando futebol e à noite dorme com a bola;
Embora esse tipo de abraço seja mais comum entre as crianças, ele também existe entre os adultos. Um bom exemplo disso é o apego que alguns tem pelo carro próprio, que nele dvee representar valores mais típicos da carência adulta, como independência e liberdade.

ABRAÇO DE DESPEDIDA: Às vezes é breve e a ele se segue uma olhada para baixo. Em outros, trata-se de um longo abraço, em que ambos se comprimem, como se frisassem que o laço não será desfeito após a despedida, ou pelo menos esse seria o desejo mútuo. Muitas vezes são acompanhados de dizeres sentimentais. Os olhos sempre estarão fechados.

ABRAÇO PARA AFASTAR O MEDO: O medo aqui em seu sentido mais primal leva as pessoas a se abraçarem. As crianças são mais facilmente impelidas a isso, mas quando o estimulo de medo é forte o bastante para cortar a racionalidade desenvolvida nos adultos, também se desenvolve esse mesmo "reflexo". Vemos isso nos parques de diversão onde o perigo simulado hoje é tônica, e também nas tristes situações reais onde mais de uma pessoa encontram-se impotentes diante da morte eminente.

ABRAÇO DE UMBIGO: o melhor do abraço é aquele que recebe e transmite carinho, como se os canais de energia se abrisse, e um pouquinho de nossa essência fosse para o outro, e um pouqiunho da essencia do outro viesse para nós. O abraço em que os umbigos se tocam é o abraço de abertura e expressa que se dá intimidade afetiva ao outro.